Copyleft: Significado, história e tipos de licença

Significado

Copyleft significa o direito de permissão de cópia de uma obra por outros usuários, dando a liberdade de copiar, modificar e redistribuir, exigindo que esse direito seja mantido em todas as versões modificadas.

O termo “copyleft” é formado pelas palavras inglesas “copy”, que significa “cópia” e “left”, que significa “esquerdo”. Literalmente, seria “esquerdo de cópia”, mas geralmente o termo é traduzido por “permitida a cópia”.

Copyleft surge do trocadilho com “copyright”, o direito de copiar, neste caso, atribuição de direitos ao proprietário impedindo reproduções não autorizadas da obra. Copyleft transmite precisamente a ideia de que haverá sempre garantia de liberdade para os usuários reproduzirem a obra.

Muito usado na informática, o copyleft é adotado por programadores que desenvolvem um software novo e pretendem que seja melhorado pela comunidade de usuários.

O software é registrado usando uma licença de software livre, atribuindo o direito a qualquer pessoa de copiar, usar, modificar e redistribuir o código-fonte do programa. Desta forma, o código pode ser livremente acessado e modificado pelos usuários. Geralmente consta no código os termos de licença e o nome do autor do software.

As versões modificadas de um trabalho estarão sempre vinculadas ao acordo de licenciamento.

História

Apesar de hoje em dia o conceito se aplicar a uma ampla variedade de campos, como a produção científica, literária, audiovisual e artística em geral, sua origem se encontra na década de setenta, no incipiente desenvolvimento de um software para o ainda embrionário setor de Informática.

No laboratório de inteligência artificial do MIT, desenvolviam-se programas, segundo Richard Stallman, em um ambiente de colaboração e compartilhamento. Em certo momento, o ambiente começou a se desagregar, já que algumas pessoas começavam a criar empresas. Conforme Stallman, “eles teriam investimento externo, sem escrúpulos, e fariam tudo o possível para ganhar”. Uma empresa, a Symbolics, começou a fechar o código dos programas feitos para o interpretador livre de Lisp. Stallman, na via contrária, começou a implementar todas as novas características dos programas, mas em versões livres.

Como Stallman achou pouco viável, a curto prazo, eliminar as leis de copyright, assim como as injustiças que considerava provocadas por seu perpetuamento, decidiu trabalhar dentro do marco legal existente. Assim, começou a desenvolver um sistema operacional livre, o GNU. Finalmente, criou sua própria licença de direitos autorais, a Licença Pública Geral do GNU (GPL). Segundo o projeto GNU:

A forma mais simples de fazer com que um programa seja livre é colocá-lo em domínio público, sem direitos reservados. Isso permite compartilhar o programa e suas melhorias com as pessoas, se assim o desejarem. Mas também permite que pessoas não-cooperativas convertam o programa em software privado. Elas podem fazer mudanças, muitas ou poucas, e distribuir o resultado como um produto proprietário (isto é, que não pode ser modificado a não ser por quem o distribuiu). As pessoas que recebem o programa com essas modificações não têm a liberdade que o autor original lhes deu, retirada pelo intermediário. No projeto GNU, nosso objetivo é dar a todo usuário a liberdade de redistribuir e modificar o software GNU. Se os intermediários pudessem retirar essa liberdade, nós poderíamos ter muitos usuários, mas esses usuários não teriam a mesma liberdade. Assim, em vez de colocar o software GNU no domínio público, nós os protegemos com copyleft. Copyleft implica que qualquer pessoa que redistribua o software, com ou sem modificações, deve passar adiante a liberdade de copiar e modificá-lo também. Copyleft garante que cada usuário tenha liberdade.

Pela primeira vez se impedia que o titular dos direitos de autor pudesse transferir de forma permanente e a obras derivadas surgidas, o máximo número de direitos possíveis a aqueles que recebessem uma cópia do programa. Isto é, impedir juridicamente que o material oferecido nestes termos possa num futuro ser apropriado, ou parte dele, a direitos autorais ou propriedade intelectual. Ainda que fosse a primeira licença copyleft, será posteriormente, com novas licenças inspiradas nesta e com a popularização do software livre que este termo começaria a se tornar frequente.

Com o passar dos anos, o copyleft deixou de ser aplicado unicamente em softwares. Publicações científicas, obras literárias, audiovisuais e artísticas, por exemplo, também foram licenciadas de modo semelhante. O copyleft inicial deu origem a várias outras licenças, que preservavam a liberdade em maior ou menor grau.

Tipos de licenças

GNU / GPL

Criada em meados da década de 1980, tem sua origem no mundo do software livre e é, por sua vez, a principal responsável de todo o movimento pela cultura livre e do copyleft. Está baseada nas quatro liberdades propostas por Stallman e a FSF (Free Software Foundation): 1) de uso; 2) de estudo e modificação; 3) de cópia e 4) de melhora e distribuição dos conteúdos, o caráter livre do produzido continua assim nas obras derivadas cujos conteúdos mantêm a mesma licença.

Apesar de que alguém dirá que a Internacional Situacionista se adiantou a tudo isso quando em 1958 dizia:
Todos os textos publicados na Internacional Situacionista podem ser livremente reproduzidos, traduzidos e editados, mesmo sem citar a fonte original.
No entanto, ao tratar-se de um projeto proveniente do mundo da programação e do software apresenta inconvenientes na hora de adequar-se a conteúdos “artísticos”.

Certamente a Licença de Arte Livre foi a mais fiel no intento de transladar a GNU ao mundo da arte. De fato, a FSF a recomenda para trabalhos artísticos e a coloca à frente inclusive da Creative Commons.

Licença de Arte Livre. Free Art License

Provavelmente uma das primeiras iniciativas para transladar algumas das ideias do movimento do software livre ao campo da arte. Denomina-se a si mesma como uma “licença de atitude” e veio à luz no evento Copyleft Attitude de París no ano 2000. Seu principal objetivo é fomentar o livre acesso a cultura frente aos modelos restritivos vigentes. Mas ao mesmo tempo promove o uso criativo das obras artísticas por parte do público. O artista que utiliza esta licença garante que o usuário possa:

  • Fazer cópias para o uso pessoal ou de terceiros.
  • Distribuir livremente o trabalho por qualquer meio, de maneira gratuita ou não.
  • Modificar livremente o trabalho.

A licença estabelece algumas limitações: Deve estar adjunta à obra ou indicar onde se pode localizar, além de especificar o nome do autor original e o lugar de acesso ao original.

Open Content License

[http://www.opencontent.org/opl.shtml]

Oficialmente encerrada em 2004 e substituída, desde então, por CC. Seu autor, David Wiley, da Universidade de Utah, pretendia entender os termos do modelo FLOSS a conteúdos não baseados em software e difundir a ideia dos conteúdos abertos com o fim de serem compartilhados. De alguma maneira, seu enfoque, se dirigia ao mundo educativo. Seguindo o modelo da GNU / GPL, esta licença garantia:

  • O direito de fazer cópias.
  • O direito de redistribuir o conteúdo.
  • O direito de modificar o conteúdo.

Design Science License

Esta licença garante ao usuário liberdade para copiar, distribuir e fazer cópias do trabalho sempre que o texto da licença seja distribuído ao lado da obra. É requisito indispensável que tanto o objeto como a “fonte” sejam distribuídos nos mesmos termos. A licença não admite outras restrições além daquelas explicitadas na licença.

Aire Incondicional (Ar incondicional)

[http://www.platoniq.net/aireincondicional_licencia.html]
Foi realizada em 2004 pelo advogado Abel Garriga em colaboração com o coletivo Platoniq (http://www.platoniq.net) no marco do projeto “Ar incondicional, a emergência de estratégias comunitárias e migratórias na Europa do Sul”, foi levado a cabo no Centro de Arte Shedhalle de Zurich mas também circulou em Genebra, Basilea e Lugano.

Se trata de uma licença única, inspirada nas licenças GNU da Free Software Foundation e as licenças de Creative Commons. Permite a reprodução, distribuição, comunicação pública e transformação livre sem intenção de lucro e se reconhece a autoria sempre de forma expressa. Como novidade incluem um par de conceitos que a diferencia de outras licenças equivalentes. Em primeiro lugar adotam a definição de “intenção de lucro” quando diz: “Se entenderá que não ha benefício comercial se o acesso ao ato de comunicação pública da obra da lugar ao pagamento de uma quantidade que não exceda o necessário para cobrir os gastos de funcionamento desse ato”. Faz menção expressa à proibição de utilizar a imagem com fins diretamente ou indiretamente publicitários e prestam especial atenção ao intercambio através de redes p2p. “O intercambio da obra mediante sistemas que permitam compartilhá-la com outras pessoas (file-sharing) não se considerará usada com intenção de lucro exceto se leva acertado o pagamento de alguma quantidade por algum conceito relacionado com a troca da obra.”

Coloriuris

Coloriuris é uma proposta de licenças, desenvolvida por iniciativa dos advogados Canut e Grávalos, “para definir a política de direitos de autor dos conteúdos a partir do modelo continental e com respeito ao Convênio de Berna e a normativa da UE” com efeitos legais em uma série de países de fala hispânica mais o Brasil e Portugal. Esta dirigido especificamente a conteúdos literários, musicais, audiovisuais e fotográficos que são distribuídos pela Internet prestando especial atenção às bitácoras ou weblogs, campo ao que dedica mais atenção. O nome Coloriuiris tem relação com as cores nas quais se organizam as diferentes licenças.

Oferece uma seria de áreas e uma gama de cores (de licenças) onde há cores básicas e cores especiais:
Área a. Informa acerca da política de cessão dos direitos de reprodução, distribuição e comunicação pública.
Área b. Informa acerca da política de cessão do direito de transformação.
Área c. O logo Coloriuris que informa de que o conteúdo (geralmente um site web/ bitácora[3]) se oferece sob um contrato Coloriuris.

Tanto na área A como na B, informam da política correspondente utilizando um código de cores que inclui o vermelho, amarelo, verde e azul. Descartando o azul, do qual falaremos mais adiante, a regra geral para interpretar a cor é que indica o quão restritiva é a política correspondente, desde vermelho (mais restritivo) até o verde (menos restritivo), com o amarelo, como ponto intermediário. Como novidade, a parte da inclusão das cores como um elemento diferencial entre as diferentes licenças, inclue um período de anos durante a qual a licença estaria vigente.
Desta maneira, se criam 8 combinações diferentes, que no entanto, não deixam de ter certo paralelismo com as que propõe Creative Commons; “Cessão em cadeia” igual a “Share Alike” ou “Compartilhar Igual”. Também, como no caso de CC dispõem de um formulário onde “confeccionar” e personalizar a licença a qual pode servir de registro de uma série de conteúdos licenciados com Colouris.

Artistic License

Seu nome pode dar lugar a confusão porém, na realidade, não se trata de uma licença para conteúdos “artísticos” mas que se destina fundamentalmente a pacotes de software livre ou linguagens de programação como Perl, concebido precisamente por Larry Wall, autor original da primeira versão da licença.

Licença Artística de blender

[http://www.lokigfx.com/blenderdoc/htmlII/x11993.html]
De alguma maneira se inspira na Licença Artística de Perl e está formatada por Blender para distribuir ficheiros de exemplo, imagens fixas e animações realizadas em software de 3D “Blender”. Permite a cópia, modificação e distribuição livre dos conteúdos sempre que esses acompanhem o texto da licença.
A licença utilizada para os conteúdos criados com o programa Blender é diferente da Licença do próprio software livre, licenciado com o GNU GPL.
Recentemente, a fundação Blender tem produzido o projeto “Elephants Dream”, um longa-metragem de animação integralmente desenvolvido com o software Blender e distribuído com a licença Creative Commons dentro do que se tem denominado como Orange Open Movie Project. O filme, assim como recursos de produção imagens, trilha sonora, etc., podem ser baixados da página (orange.blender.org) e utilizados livremente com a correspondente atribuição de autoria.

Against DRM 2.0

[http://www.freecreations.org/Against_DRM2.html]
Se trata de uma das licenças de mais recente aparição, orientada, como indica, a trabalhos intelectuais (works of mind) de caráter criativo. Sua característica mais especifica é sua oposição explicita às tecnologias DRM “orientadas a exercer restrições sobre os usuários de um sistema ou forçar os direitos digitais permitidos”. A versão em castelhano também esta disponível em sua página.

Libre Designs General Public LDGPL

OpenDesigns é uma iniciativa que tenta compartilhar desenhos abertos/ livres de qualquer tipo de objetivo. Sua licença foi criada em 2003 para facilitar:

  • A liberdade de usar o desenho para qualquer propósito
  • A liberdade para estudar como funciona o desenho e adaptá-lo às suas necessidades.
  • A liberdade de redistribuir as cópias do desenho com o que possa ajudar ao seu vizinho.
  • A liberdade de melhorar o desenho e tornar públicas as melhorias aos demais, de modo que toda a comunidade se beneficie.

O que a converte em uma espécie de GNU GPL para objetos. Como novidade, mencionam expressamente o perigo constante das patentes e a incompatibilidade da licença com patentes que não garantam as liberdades da licença.

Pra quem deseja se interar mais sobre o assunto, segue o link para o manual de uso do copyleft.

Notas

Manual Copy Left
Wikipedia
Siginificado

#FreeBogatov: Preso por compartilhar um vídeo de Kanye West?

Quem é

Desenvolvedor de software, professor de matemática na Universidade de Direito e Finanças de Moscou, apoiador de software livre, colaborador de projetos Debian e GNU e parte do movimento esperantista.

Do que ele é acusado?

Bogatov é acusado de publicar material extremista na internet.

Ele é acusado com base no item 2 do artigo 205.2 do Código Penal russo (incitamento de atividades terroristas ou justificação do terrorismo através da Internet), item 1 do artigo 30, item 1 do artigo 212 (arranjo da preparação de distúrbios em massa).

Segundo a acusação, alguém com o nickname de “Airat Bashirov” publicou duas mensagens no site sysadmins.ru em 29 de março. “Airat Bashirov” acessou sua conta de 104 endereços IP diferentes e localizados em diferentes países, incluindo o endereço IP de Dmitry Bogatov.

Para sustentar a necessidade de detenção de Bogatov, o investigador citou um vídeo que mostraria “distúrbios em massa e desobediência a policia”. O único vídeo postado por Airat Bashirov é um clipe musical de Kanye West e Jay-Z “No Church in The Wild”.

A justificativa da prisão também foi fundamentada pelo fato de que Dmitry planejava visitar a Itália em 12 de abril. Naquela época, a Itália recebeu o Festival Internacional da Juventude Esperanto (https://iej.esperanto.it), que Dmitry pretendia ir com sua esposa.

Por que ele é inocente?

Dmitry Bogatov não publicou as mensagens das quais ele é acusado Ele mantinha um nó de saída Tor, o que não é ilegal na Rússia, e ele não está sendo acusado por isso.

Tor é um software especial que roteia o tráfego da Internet através de circuitos aleatórios construídos a partir de servidores localizados em todo o mundo. Os nós de saída são usados ​​como últimos servidores no circuito, é por isso que seus endereços aparecem nos logs. O nó de Dmitry estava online pela última vez em 5 de abril de 2017.

“Airat Bashirov” também usou a rede Tor para postar mensagens pelas quais Dmitry é acusado.

Mesmo após a prisão de Dmitry, “Airat Bashirov” continua enviando mensagens. Os fóruns de notícias “Open Russia” e “Mediazona” até conseguiram falar com ele . In a comment to the Mediazona he confirmed that he used Tor. Em um comentário ao Mediazona, ele confirmou que usava Tor.

No momento em que as mensagens de Bashirov foram postadas, Dmitry não estava em casa. Ele estava em um clube de fitness com sua esposa e depois visitaram uma loja de produtos. Isso é confirmado por imagens de câmeras de segurança.

Como posso ajudar?

Compartilhe informações sobre o caso

Quanto mais atenção for dada, mais chances de conseguirmos a libertação de Dmitry.

Coloque um banner no seu site https://freebogatov.org/en/materials ou use-o como avatar.

Use a hashtag oficial #freeBogatov nas redes sociais.

Doe para ajuda legal para Dmitry

A família de Dmitry precisa de ajuda para pagar advogados, especialistas independentes e outras despesas.

Se você não pode fazer doações por BitCoin, escreva-nos: mailto:freebogatov@cock.li
Carteira Bitcoin: 1DAQicntXrUquSytKrobL5j6NzpgjeFWXo

Escreva uma carta de apoio

Dmitry está sendo mantido em um centro de detenção pré-julgamento e com acesso limitado à informação. Para Dmitry, cartas são quase a única maneira de entrar em contato com o mundo exterior, e é importante que ele saiba que pessoas o apoiam. Infelizmente, só é possível escrever em língua russa.

Se você escreve em russo, confira o site RosUznik (http://rosuznik.org/arrests/bogantov) ou veja a versão russa desta página, ela tem instruções sobre como escrever diretamente para o Dmitry.

Por outro lado, podemos traduzir sua carta e envia-la. Entre em contato através de freebogatov@cock.li (chave GPG: 0xC70F74F7211C6E36).

Execute um nó de Tor com nick de Bogatov ou KAction em solidariedade.

Ativistas de Tor lançaram um flashmob em 12 de abril e chamam todos administradores Tor para rodar ou renomear seus nós usando #freeBogatov ou #KAction.

O site do Projeto Tor tem um guia https://www.torproject.org/docs/tor-relay-debian.html.en sobre como fazê-lo. Você pode executar o nó em sua casa (nesse caso, recomenda-se que não execute um relé de saída, mas o relé intermediário, dessa forma nenhuma atividade negativa virá do seu IP).

Você também pode limitar a largura de banda se não quiser dar largura de banda total à rede Tor ou alugar um servidor. Aqui está uma lista de hosters https://trac.torproject.org/projects/tor/wiki/doc/GoodBadISPs por ativistas que estão executando nós de Tor. Até o dia 18 de abril, 45 nós de entrada e saída foram lançados em solidariedade com Dmitry. Veja aqui https://atlas.torproject.org/#search/bogatov uma lista de nós.

Apoio e Mídia

FONTE: PARTIDO PIRATA

Chelsea Manning finalmente está LIVRE!

Fonte: Anistia Internacional

A liberação hoje de Chelsea Manning de uma prisão militar norte-americana finalmente põe fim ao seu castigo por expor informações classificadas, inclusive de possíveis crimes de guerra cometidos por militares dos EUA, disse a Anistia Internacional.

“Hoje é o dia pelo qual milhares de ativistas da Anistia Internacional em todo o país e em todo o mundo têm feito campanhas pelo tempo do sofrimento cruel de Chelsea Manning”, disse Margaret Huang, diretora executiva da Anistia Internacional dos EUA.

“O tratamento dado a Chelsea é sobretudo revoltante, já que ninguém foi responsabilizado pelos supostos crimes que ela trouxe à luz. Enquanto celebramos a sua liberdade, continuaremos a pedir uma investigação independente quanto as potenciais violações dos direitos humanos que ela expôs e para que se criem proteções para garantir que os denunciantes como Chelsea nunca mais sejam submetidos a um tratamento tão terrível “.

A Anistia Internacional tem feito campanha pela libertação de Chelsea Manning desde 2013, quando foi condenada a 35 anos de prisão. Seu tempo de prisão foi muito mais longo do que para militares condenados por homicídio, estupro e crimes de guerra.

Além disso, a denunciante do Exército dos EUA ficou presa durante 11 meses em condições de detenção de pré-julgamento que o Relator Especial da ONU sobre Tortura considerou como tratamento cruel, desumano e degradante. Ela foi posta em prisão solitária como penalização por uma tentativa de suicídio, e lhe foi negado tratamento adequado relacionado à sua identidade de gênero durante seu encarceramento.

Seu caso fez parte da campanha anual da Anistia Internacional, Escreva por Direitos, em 2014. Em todo o mundo, quase um quarto de milhão de ações foram tomadas pedindo sua libertação.

Em uma carta à Anistia Internacional na época, Chelsea Manning disse:

“Apoio o trabalho que vocês fazem para proteger pessoas às quais são negadas justiça, liberdade, verdade e dignidade. Parece-me que a transparência no governo é um pré-requisito fundamental para assegurar e proteger a liberdade e a dignidade de todas as pessoas “.

Depois de anos de campanha da Anistia Internacional e outros, o ex-presidente Barack Obama comutou a pena de Manning antes de deixar o cargo, em janeiro de 2017.

 

Esta semana a Anistia Internacional lançou uma nova campanha global, “Coragem”, com o objetivo de destacar os corajosos ativistas e denunciantes em todo o mundo que muitas vezes se colocam em grave risco por contestar violações de direitos humanos.

“O tratamento vingativo dado a Chelsea Manning, pelas autoridades norte-americanas, depois que ela expôs prováveis irregularidades militares, é um triste reflexo dos

extremos a que chegam os que estão no poder para impedir que os outros se manifestem”, disse Margaret Huang.

“A libertação de Chelsea mostra, mais uma vez, que o poder do povo pode triunfar sobre a injustiça – uma mensagem inspiradora para os inúmeros ativistas corajosos que defendem os direitos humanos em todo o mundo e que estão no centro de nossa nova campanha global, “Coragem”.

 

Dos militares até os hackers guerrilheiros – uma perspectiva social sobre o Hacking

Os computadores surgiram para atender as necessidades militares e administrativas dos Estados. Inicialmente, eles eram máquinas de calcular gigantescas, do tamanho de salas, que possibilitavam a contagem nos censos e a precisão das bombas atiradas pela artilharia nas guerras. Em 1943, o presidente da IBM chegou a prever que haveria mercado para apenas cinco computadores em todo o planeta, e até os anos setenta a imagem de computadores era a de rivais da inteligência humana na ficção científica, ideia que só reforçava a imagem desses aparelhos como ferramentas de dominação e controle. Por muito tempo, empresas gigantescas e elitistas como a IBM ignoraram os computadores pessoais como uma possível realidade, o que abriu caminho para que jovens estudantes do MIT se reunissem em maratonas, muitas vezes noturnas, para explorar as possibilidades que guardavam aquelas máquinas. Foi assim que surgiram os primeiros jogos, robôs e microcomputadores. São estes que se tornaram os hackers romantizados como gênios anti-sociais e reclusos. Hoje existem imagens bem diferentes dos hackers, que podem ser considerados terroristas ou até mesmo defensores da liberdade, tal como Chelsea. Como isso se deu? Das fileiras do movimento anti-bélico da costa oeste dos EUA surgiram os hackers guerrilheiros. Nas mãos deles o computador seria convertido em um instrumento de política democrática. Convencidos de que existia em suas máquinas o potencial democrático para subverter o sistema político e econômico, estes hackers acreditavam que os computadores haviam sido capturados pelos militares apenas para oprimir e controlar as pessoas, e não libertá-las. Percebendo como a informação era fortemente controlada através de hierarquias que produziam as verdades do status quo, como as televisões e governos, o objetivo destes hackers era construir uma rede horizontal de conhecimento, uma democracia direta da informação que não só ultrapassasse estas barreiras pré-definidas, mas que as fizesse ruir de algum modo.
O computador se apresentava como o antídoto contra os segredos governamentais, as mentiras políticas e o silenciamento autoritário. Logo essas máquinas ganhariam uma aura de vulgaridade e radicalismo, representando a juventude, o rompimento com o estabelecimento social e a busca por uma liberdade e igualdade mais efetivas.

Os hackers eram os jovens que haviam abandonado a universidade em busca de autonomia e de uma descoberta das suas capacidades. O primeiro computador, Altair, era uma caixa mágica que chegava pelo correio. Produzido não por corporações, mas por um casal excêntrico em sua garagem, sua propaganda dividia o lugar com outros produtos alternativos como kits de horticultura em catálogos de produtos. Foram destas raízes que nasceram os esforços para atacar os arsenais nucleares como protesto em 1989 e os protestos por liberdade de expressão que culminaram em 2001, com a declaração de um código de conduta instigando a desobediência civil online pelo grupo hacker underground “Cult of the Dead Cow”, que contava com um comunitarismo popular contra o controle do Estado e buscava a liberdade da informação como um direito humano. De coletivos anônimos que se formam ao redor de assuntos de interesse público, até ex-funcionários de agências governamentais, o hacktivismo é uma força considerável que está lutando contra o controle institucional da informação e das redes.

Deste modo, pode-se localizar Chelsea como integrante da síntese de todo este processo que é o hacktivismo. Num primeiro momento, integrante das camadas profundas do militarismo estatal imperialista. No momento seguinte, o estardalhaço das informações lançadas aos mais variados públicos que buscaram desenvolvê-las e utilizá-las consoantes com os princípios éticos que validam. Por último, um firme posicionamento de oposição e resistência à opressão e manutenção das ferramentas de controle e poder tecnológico.

 

Fonte: Partido Pirarta